EL VEGANISMO ES PONER EN PRÁCTICA LA ÉTICA MEDIANTE EL RESPETO A LOS DEMÁS SERES SINTIENTES...................................NORMAS SOBRE COMENTARIOS: Los comentarios de infraseres no se publican, no pierdas tu tiempo........................................... Los comentarios están moderados, lee las Normas sobre los comentarios................................. Si no sabes dónde dejar tu comentario pregunta en el Foro General..............Gracias......................Las respuestas son mejoradas constantemente, no dudes en ayudar a mejorarlas..........................

jueves, 1 de septiembre de 2016

ARGUMENTO:
"A dieta vegetariana estrita não é saudável"

RESUMEN: Si nós humanos somos onívoros, então isso significa que PODEMOS obter nutrientes de fontes tanto de origem animal e vegetal; ser onívoro no significa que DEVAMOS obter os nutrientes de ambas as fontes. A ciência da nutrição e a experiência empírica apoiam a idéia que diz que a dieta vegetariana estrita é saudável se você a seguir de uma forma equilibrada, portanto, podemos estar saudáveis e até mesmo praticar esportes competitivos.

Palavras chave: dieta vegetariana estrita, nutrição
Translate-Portuguese to Spanish

A dieta vegetariana estrita(1) não inclui produtos de origem animal, ou seja, nem os corpos de animais mortos ou de seus produtos (leite, ovos, mel, etc.).

Alguns seres humanos dizem que não seguem uma dieta vegetariana estrita, porque não é uma dieta saudável.

Formulamos mais claramente o argumento usado por essas pessoas. Este seria o seguinte:

(A1) "É eticamente incorreto causar danos desnecessários aos animais."
(A2) "A dieta vegetariana estrita não é saudável."
(A3) e (A2) são verdadeiros, então "Precisamos explorar e matar animais não humanos para ser saudáveis e fortes."

Este argumento pode ser refutado das seguintes maneiras:

1. Do ponto de vista da ciência (o que É):

(i) Contradiz a ciência da nutrição. (A2) é falso. A ciência da nutrição afirma que uma dieta vegetariana estrita equilibrada é saudável. São muitas as associações de nutricionistas, revistas especializadas em nutrição, etc., as que endossaram publicamente que a dieta vegetariana estrita (plant-based diet) equilibrada é saudável: a Organização das Nações Unidas (ONU), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a American Dietetic Association (ADA), a Associação dos Dietistas do Canadá, a Nova Zelândia Dietetic Association, o Comitê de Médicos para uma Medicina Responsável (PCRM), a Organização Mundial da Saúde (OMS), o World Foundation for Cancer Research, o American Institute for Cancer Research, a American Academy of Pediatrics, dentre outros. E não apenas afirmam que uma dieta vegetariana estrita equilibrada é saudável, mas também mencionam os benefícios na prevenção e melhora de algumas doenças, desde cardiovasculares até o câncer, além de outras doenças crônicas como o diabetes e algumas doenças degenerativas.

A seguir, vamos listar o que diz a ciência da nutrição sobre a dieta vegetariana estrita:

ÓRGÃOS DE SAÚDE E NUTRIÇÃO:

American Dietetic Association (ADA):

A Associação Dietética Americana (American Dietetic Association - ADA), fundada em Cleveland, Ohio, em 1917, e com mais de 67 mil associados, é a maior organização de profissionais de nutrição dos Estados Unidos.

- O posicionamento oficial da Associação Dietética Americana e Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) sobre a dieta vegetariana , publicado no Journal of the American Dietetic Association em 2003[1] e reiterado em 2009[2], é o seguinte:

"Dietas vegetarianas apropriadamente planejadas, incluindo as dietas vegetarianas estritas ou veganas são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem fornecer benefícios à saúde na prevenção e tratamento de certas doenças. As dietas vegetarianas bem planejadas são apropriadas para todas as fases do ciclo vital, incluindo gravidez, lactação, primeiros anos de vida, infância e adolescência, e para os atletas." American Dietetic Association (ADA)

O posicionamento de 2003 era a atualização de uma posição anterior, publicada na mesma revista em 1997. E esta, por sua vez, atualizava outra de 1983, que complementou outra em 1980. Assim, podemos ter uma idéia de há quanto tempo ADA vem insistindo nestas questões. Praticamente três décadas dizendo que podemos viver sem comer produtos de origem animal.


Associação Dietética da Nova Zelândia:

A Associação Dietética da Nova Zelândia (Dietitians NZ) apoia a posição da Associação Americana de Dietética em dietas vegetarianas[3]:

"The New Zealand Dietetic Association (NZDA) has adopted and endorsed the position paper of the American Dietetic Association (ADA)". “Vegetarian Diets”, published in the Journal of the American Dietetic Association 1997; 97: 1317– 21.

Tradução: "A Associação Dietética da Nova Zelândia adotou e aprovou o documento de posição sobre as dietas vegetarianas publicado pela Associação Americana de Dietética (ADA)." A Associação Dietética da Nova Zelândia


Associação Espanhola de Dietistas-Nutricionistas (AEDN):

- A Associação Espanhola de Dietistas-Nutricionistas (AEDN) afirmou que uma dieta vegetariana bem planejada, supervisionada por um nutricionista, é saudável em todas as fases da vida. É o que asseguram muitos especialistas durante a celebração do Terceiro Congresso da Associação Espanhola de Dietistas-Nutricionistas (AEDN). De acordo com estes especialistas, este tipo de dieta é saudável, desde que suplementadas com vitamina B12. Esta declaração coincide com o proposto por especialistas da Associação Dietética Americana e Nutricionistas do Canadá, que argumentam que na infância, adolescência, gravidez, lactação e velhice, a alimentação vegetariana estrita é adequada se apropriadamente suplementada[4].

- Em outubro de 2006, a revista Medical Gazette publicou um pequeno artigo intitulado "A dieta vegetariana sim, mas bem planejada e com vitamina B12", onde se fala sobre o apoio que a AEDN mostrou perante a opinião da Associação Dietética Americana sobre dietas vegetarianas. Ele diz o seguinte[5]:

"O congresso da AEDN foi o evento escolhido para apresentar, em nível nacional, um documento de consenso desenvolvido pela Associação Americana de Dietética sobre o vegetarianismo. E as conclusões são de que uma dieta vegetariana bem planejada, mesmo estrita, pode ser levada em todas as fases da vida. "É muito importante que nós profissionais saibamos disso, porque cada vez há mais pacientes perguntando sobre a possibilidade de se pôr em prática esta dieta", comenta Iva Marques, presidente do comitê científico. "Às vezes, temos a tendência de rejeitar essa prática como se fosse nos levar a deficiências nutricionais, e não tem por quê ", acrescenta. Mas é essencial uma boa escolha dos alimentos,” pois é fácil incorrer em uma dieta deficiente”. O vegetarianismo estrito é o que mais riscos apresenta, associado a deficiências em ferro, cálcio e vitaminas D e B12. "Isto é especialmente importante em crianças, gestantes e idosos, mas seguindo uma dieta adequada podem se satisfazer todas as necessidades nutricionais", assinala Marqués, que resalta a necessidade de suplementação com B12." La Gaceta Médica, nº 175 – 23/10/2006.


Organização das Nações Unidas (ONU):

- Em 2 de junho de 2010, a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou em um relatório intitulado "Assessing the Environmental Impacts of Consumption and Production: Priority Products and Materials"[6], que uma mudança global em direção a uma dieta sem produtos de origem animal é vital para salvar o mundo da fome, a escassez de combustível e os piores impactos das mudanças climáticas. No ponto 2 da página 82 do relatório, diz que, por razões ecológicas, tornou-se necessário a nível mundial seguir uma dieta sem produtos de origem animal.

"Impacts from agriculture are expected to increase substantially due to population growth, increasing consumption of animal products. Unlike fossil fuels, it is difficult to look for alternatives: people have to eat. A substantial reduction of impacts would only be possible with a substantial worldwide diet change, away from animal products". United Nations

Tradução: "Os impactos na agricultura devem aumentar substancialmente devido ao crescimento populacional, aumentando o consumo de produtos de origem animal. Ao contrário dos combustíveis fósseis, é difícil encontrar alternativas: as pessoas têm que comer. Uma redução substancial dos impactos só seria possível com uma mudança substancial na dieta do mundo, longe dos produtos de origem animal." Organização das Nações Unidas (ONU)


Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) e Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA):

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (U. S. Department of Health & Human Services (HHS)) e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (U. S. Department of Agriculture (USDA)), publicam em conjunto as "Diretrizes para a Dieta dos Americanos" ("Dietary Guidelines") a cada 5 anos, desde 1980.

- Em 31 de janeiro de 2011, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (U. S. Department of Health & Human Services) publicou a sétima edição do "Diretrizes para a Dieta dos Americanos, 2010" ("Dietary Guidelines for Americans, 2010") um guia de nutrição baseado em evidências nutricionais, que tem uma seção detalhada para seguir uma dieta vegetariana estrita balanceada, adaptada às necessidades nutricionais e onde se destacam os benefícios da dieta vegetariana na promoção da saúde adaptados às necessidades nutricionais e que destaca os benefícios da dieta vegana para promover a saúde, redução de riscos de doenças crônicas e redução da prevalência de sobrepeso e obesidade. Nesta versão do guia, se dá mais foco às dietas vegetarianas e veganas, dedicando duas páginas inteiras à nutrição vegana e vegetariana, observando que estas dietas têm vantagens nutricionais, além de reduzir a obesidade e as doenças cardíacas.

Mais de 1/3 das crianças e mais de 2/3 dos adultos americanos estão acima do peso ou obesos, motivo pelo qual esta 7 ª edição do guia dá ênfase especial à redução do consumo de calorias e aumento da atividade física . Também promove o aumento no consumo de alimentos mais saudáveis, como verduras, frutas, cereais integrais, pouca gordura, menor consumo de sódio, gorduras saturadas - e trans-, açúcares e grãos refinados.

Este guia, encomendado pelo Congresso dos Estados Unidos, é baseado em estudos recentes e informações científicas para ajudar os formuladores de políticas na concepção e implementação de programas de nutrição; oferece educação para profissionais de saúde como nutricionistas, nutrólogos, dietistas e educadores da área da saúde com uma compilação das mais recentes recomendações com base científica.

Comitê de Médicos por uma Medicina Responsável (PCRM):

Fundado em 1985, o Comitê de Médicos por uma Medicina Responsável (Physicians Committee for Responsible Medicine (PCRM)) é uma organização sem fins lucrativos, apoiada por mais de 5.000 médicos e 100 mil seguidores, com sede em Washington DC (EUA). Cada trimestre, os membros recebem a revista Good Medicine.

- Em 15 de junho de 2010, o Comitê de Médicos para uma Medicina Responsável (PCRM) elogiou[7] os resultados das Diretrizes Alimentares do Comitê Consultivo do Departamento de Agricultura dos EUA (U. S. Department of Agriculture, USDA)[8], em que destacou o valor das dietas vegetarianas para os americanos. Enquanto o vegetarianismo tem sido considerado como um modismo, é claramente estabelecido como uma forma eficaz de prevenir problemas de obesidade, diabetes e colesterol. Por exemplo, comida vegetariana e vegana (vegetariana estrita) reduz o risco de diabetes e também pode ajudar pessoas que já têm diabetes tipo 2 a controlar a doença e a reduzir a necessidade de medicamentos. Logo após o 31 de janeiro de 2011 foi publicado o "Diretrizes para a Dieta dos Americanos, 2010" ("Dietary Guidelines for Americans, 2010 ") e o Comitê de Médicos por uma Medicina Responsável ficou satisfeito com o conteúdo sobre dietas vegetarianas estritas:

"As pessoas que evitam a carne, evitam o risco de obesidade, diabetes, doenças cardíacas e certos tipos de câncer, e os que também evitam os produtos lácteos e ovos são as mais saudáveis. É bom ver que essas dietas são agora parte da política federal dos EUA." Susan Levin, diretora de Educação Nutricionaldo PCRM.

O Guia, no entanto, está longe de ser perfeito. Como em outras versões, especifica refeições que devem ser mais consumidas (como frutas e verduras), mas evita listar alimentos que as pessoas deveriam consumir menos, ou não consumir (como carne e queijo), aparentemente por medo de incomodar os produtores do setor. Em vez disso, o guia pede para limitar o consumo de "colesterol" e "gorduras saturadas". Da mesma forma, enquanto os produtos lácteos têm mais de 30% do total de gordura saturada consumida pelos norte-americanos, o guia disfarça estas gorduras classificando-as em várias categorias, como queijo (8,5%), manteiga (2,9%), leite integral (3,4%), leite desnatado (3,9%), sobremesas lácteas (5,6%) e pizzas (5,9%), de modo que sua contribuição para a doença não é clara .

- O Comitê de Médicos por uma Medicina Responsável (Physicians Committee for Responsible Medicine) publicou um artigo intitulado "Vegetarian Diets for Children: Right from the Start", onde diz o seguinte[9]:

"Children raised on fruits, vegetables, whole grains, and legumes grow up to be slimmer and healthier and even live longer than their meat-eating friends. It is much easier to build a nutritious diet from plant foods than from animal products, which contain saturated fat, cholesterol, and other substances that growing children can do without. As for essential nutrients, plant foods are the preferred source because theyprovide sufficient energy and protein packaged with other health-promoting nutrients such as fiber, antioxidant vitamins, minerals, and phytochemicals". Physicians Committee for Responsible Medicine (PCRM)

Tradução: "Crianças alimentadas com frutas, verduras, cereais integrais e legumes tornam-se mais saudáveis e, até mesmo, vivem mais do que sua contraparte. É muito mais simples construir uma dieta nutritiva com base em alimentos de origem vegetal do que uma baseada em produtos de origem animal, que contêm gordura saturada, colesterol e outras substâncias que as crianças podem evitar." Comitê de Médicos para uma Medicina Responsável (PCRM)


Academia Americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics):

- Em 2003, a Academia Americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics) publicou a quinta edição do seu livro Pediatric Nutrition Handbook, onde afirmou o seguinte[10]: "Qualquer criança pode ser vegana desde que sua dieta seja bem planejada." American Academy de Pediatria


PUBLICAÇÕES:

Journal Pediatrics in Review:

Em 2004, o Journal Pediatrics in Review publicou um artigo intitulado "Vegan Diets in Infants, Children, and Adolescents" que diz o seguinte[11]:

"Multiple experts have concluded independently that vegan diets can be followed safely by infants and children without compromise of nutrition or growth and with some notable health benefits". Journal Pediatrics in Review

Tradução: "Vários especialistas independentemente concluíram que dietas veganas podem ser seguidas por lactentes e crianças com segurança, sem comprometer sua nutrição ou crescimento e com alguns benefícios de saúde notáveis.” Journal Pediatrics in Review

Journal of the American Dietetic Association:

- Em junho de 2001, o Journal of the American Dietetic Association publicou um artigo intitulado"Considerations in planning vegan diets: Infants", que diz o seguinte[12]:

"Appropriately planned vegan diets can satisfy nutrient needs of infants. The American Dietetic Association and The American Academy of Pediatrics state that vegan diets can promote normal infant growth". Journal of the American Dietetic Association"

Tradução: Dietas veganas apropriadamente planejadas podem satisfazer as necessidades de nutrientes das crianças. A Associação Dietética Americana e a Academia Americana de Pediatria estabelecem que dietas veganas podem promover o crescimento normal da criança." Journal of the American Dietetic Association

American Journal of Clinical Nutrition:

- Em 1999, o American Journal of Clinical Nutrition publicou um estudo intitulado "Convergence of plant-rich and plant-only diets", que afirma o seguinte[13]:

"Nutritional scientists agree that at all ages and stages of life, well-planned plant-based and plant-only diets that incorporate the principles of adequacy, balance, and moderation can be nutritious and healthful".American Journal of Clinical Nutrition"

Tradução: "Os cientistas concordam em que, em todas as idades e fases da vida, as dietas bem planejadas à base de verduras ou que se restringem apenas a verduras ,que incorporarn os princípios de suficiência, equilíbrio e moderação, podem ser nutritivas e saudáveis" American Journal of Nutrição Clínica

- Em 1981, o American Journal of Clinical Nutrition publicou um artigo intitulado "Nutrient intake and health status of vegans", que diz o seguinte[14]:
"No clinical signs of nutritional deficiency were observed in the vegans."

Tradução: "Nenhum sinal clínico de deficiência nutricional foi observado nos veganos".

ALGUMAS DECLARAÇÕES DE NUTRICIONISTAS PROFISSIONAIS:

- Em 2010, Nelba Villagrán, presidente do Colégio de Nutricionistas da Universidade do Chile, disse o seguinte sobre a dieta vegetariana[15]: "ser vegetariano é a coisa mais saudável que existe". Nelba Villagrán, presidente do Colégio da universidade nutrição Chile


(ii) Contradiz a evidência empírica. (A2) é falso. Há milhões de vegetarianos estritos que levam uma vida saudável sem comer produtos de origem animal e seus derivados (leite, ovos e mel). No vídeo a seguir, intitulado Vegan Parenting, podem ser observadas várias família com crianças veganas desde o nascimento.



Vegan Parenting (legendas em espanhol) (Link)


Há também evidência empírica de atletas profissionais que seguem uma dieta vegetariana estrita[16].


(iii) A dieta vegetariana estrita é mais saudável do que a que inclui produtos de origem animal quanto à possibilidade de contrair doenças zoonóticas. Os alimentos vegetais são uma categoria menos suscetíveis a patógenos (doenças zoonóticas) que os alimentos animais ou provenientes da pecuária, é o que afirma o Departamento de Agricultura da FAO em um relatório de 2009, intitulado "A longa sombra do gado. Problemas Ambientais e Opções."[17]:

"Em termos de saúde e segurança dos alimentos, produtos pecuários são uma categoria mais suscetível a patógenos e outros produtos alimentícios já que podem transmitir doenças de animais para seres humanos (zoonoses). A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) estima que não menos de 60 por cento dos patógenos humanos e 75 por cento das doenças emergentes são zoonoses. É bem sabido que toda uma série de doenças humanas são de origem animal (como a gripe comum ou a varíola). A tuberculose, brucelose e muitas doenças parasitárias internas, tais como as causadas por solitárias, lombrigas e muitas outros, são transmitidas através do consumo de produtos de origem animal. O aparecimento de novas doenças como a gripe aviária, o vírus Nipah ou a variante da doença de Creutzfeldt-Jakob demonstram o potencial da interface produção animal x ser humano para desenvolver e transmitir novas doenças." Departamento de Agricultura da FAO

Agora a questão é mostrar como seguir uma dieta vegetariana estrita equilibrada, porque se seguimos uma dieta vegetariana estrita da forma errada, então a nossa saúde será prejudicada. Para obter informações sobre como alimentar-se adequadamente, sem produtos de origem animal, por favor visite a seção de Nutrição vegetariana estrita.


▼▲ Mostrar/Ocultar INFORMAÇÕES ADICIONAIS

▼▲ Mostrar/Ocultar REFERÊNCIAS E LINKS